sábado, 12 de maio de 2012

Olhar de mãe.




Meus filhos, meus órgãos vitais. 
Posso ter dúvidas imensas sobre tudo, 
mas tenho uma única certeza: 
nasci para ser mãe. 
E ser mãe de três seres humanos tão especiais,
 é um privilégio. 


quinta-feira, 10 de maio de 2012

Ponto de vista.




Achamos que nos conhecemos, que conhecemos o outro, que sabemos tudo e um pouco mais. Ledo engano! Ver vai além do enxergar.



"Em algum lugar do tempo, mais além do tempo, o mundo era cor de cinza. Graças aos índios ishir, que roubaram as cores dos deuses, agora o mundo resplandece; e as cores do mundo ardem nos olhos que as olham.



Tício Escobar acompanhou uma equipe de televisão, que viajou até o Chaco, vinda de muito longe, para filmar cenas da vida cotidiana dos ishir.



Uma menina indígena perseguia o diretor da equipe, silenciosa sombra colada ao seu corpo, e olhava fixo a sua cara, muito de perto, como querendo meter-se em seus estranhos olhos azuis.



O diretor recorreu aos bons ofícios de Tício, que conhecia a menina e entendia a sua língua. Ela confessou:



- Eu quero saber de que cor o senhor vê as coisas.



- Da mesma forma que você - sorriu o diretor.



- E como é que você sabe de que cor eu vejo as coisas?"




Eduardo Galeano  

Olhar de dúvida.


Cá entre nós: fui eu quem sonhou que você sonhou comigo?
Ou teria sido o contrário?


Caio Fernando Abreu

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Olhar para Guiñazu.


Um ano de amor e mais amor, meu Guiñazu.